Blog

Balbina – Variedade e muita ação próxima a Manaus.

Inaugurada no final da década de 80, com um lago com 2.360 quilômetros quadrados e mais de 700 ilhas, a Usina Hidrelétrica de Balbina está localizada no rio Uatumã (Bacia Amazônica) no municipio de Presidente Figueiredo, no estado do Amazonas.

Nossa aventura começou a partir de São Paulo com destino ao aeroporto internacional Eduardo Gomes em Manaus, onde já estava a nossa espera o Sr. Jeff proprietario da pousada ilha do Jeff onde ficamos hospedados, nosso objetivo  era o vilarejo conhecido como Rumo certo, distante apenas 174 de Manaus por estrada pavimentada, que foi  percorrido em menos de duas horas, com muita segurança e troca de informações entre todos, Assim que chegamos as margens da represa já avistamos nossas respectivas embarcações, onde eu, meu parceiro de pescaria Herman (Hermannautica) e mais dois amigos o José e seu filho Renato frequentadores de nossa loja, iriamos passar a maior parte do tempo.

Nossos guias já estavam preparados, o Roni  guia de minha embarcação se mostrou todo tempo atencioso, cuidadoso e pronto a ajudar e olha que não é facil pilotar o barco por entre inumeras arvores, e o que mais me surpreendeu foi a habilidade do guia com o remo, em Balbina por conta das inumeras estruturas não é comum o uso do motor elétrico.

Para chegarmos até a  Ilha do Jeff,  percorremos mais 20 minutos de barco,  alêm da paisagem maravilhosa, o nascer do sol é indescritivel. Na chegada a pousada fomos recepcionados pelos funcionários que com muita competência e atenção nôs proporcionaram quatro dias de muita alegria, principalmente pelo café da manhã e o jantar saboroso, chegando até a atender meu pedido para desgustar um Pirarucu, que deixou todos com agua na boca.

Neste dia após o café da manhã, montamos nossos materiais”que não eram poucos” separamos nossa caixa de iscas artificiais e saimos para nossa batalha com os verdadeiros donos do lago, os tucunarés açus que podem passar dos 6 kg e os pacas que chegam a pesar até 4 kg, varias outras espécies são encontradas na represa, entre elas estão, trairas , Piranhas Pretas “dão medo de tão grandes” e o Aruanã que com seus saltos acrobáticos visitava nossas linhas proporcionando shows a parte.

A parte da manhã foi para descobrir-mos os locais onde os peixes estavam caçando e as iscas que surtiriam mais efeito.

Com o sol escaldante do meio dia “ por sinal mais de 40 graus” era hora da parada para o almoço, onde degustamos debaixo da sombra das arvores e no melhor estilo da região, um Tucunaré assado a beira do lago, e para acompanhar uma farofa que só existe por lá e o arroz que por vezes era deixado de lado, para comermos mais peixes, lembrando que para o almoço captura-mos peixes de até no máximo 1 kg.

No decorrer dos outros dias já sabendo os pontos onde os peixes caçavam e as iscas que mais atraiam os peixes, a captura foi facilitada e na contagem final de cada dia, mais de 60 peixes eram embarcados e soltos.

Os tucunarés de grande porte são encontrados com frequencia por lá,  e por algumas vezes chegaram a tomar linha da carretilha com freio travado, enroscando a isca nos troncos e deixando nossas garatéias abertas,  a quantidade de cardumes encontrados tambem era grande proporcionando tantas ações que por vezes cardumes de tucunarés pacas menores eram deixados para traz para irmos a procura dos bichões.

Em quatro dias de pescaria posso dizer que ficou um gostinho de quero mais, não só para mim, mas para todos os amigos que acompanharam esta empreitada a Balbina, sonho mais que realizado em todos os sentidos da palavra, fomos embora deixando para traz não só os Tucunas mas tambêm um paraiso, que se continuar protegido, continuará sendo um ótimo roteiro para pescadores do Brasil inteiro.

Dicas:

O sol é escaldante, leve protetor solar com maior fator de proteção.

As chuvas da tarde são constantes, capa de chuva se faz necessário.

Pelas muitas estruturas existentes na represa, a navegação se torna perigosa, para sua segurança utilize o colete salva vidas enquanto estiver navegando.

As iscas médias foram as que mais funcionaram nesta pescaria, e por vezes os peixes maiores entravam em iscas de meia agua, sempre com barbelas curtas para que não enroscassem.

As ilhas com capim e troncos são os pontos mais frequentados pelos guias da região e são os locais que mais capturas realizamos, não direcione seus arremessos somente para as margens, arremesse para o meio do lago, os troncos submersos escondem verdadeiros monstros amarelos.

Material:

Utilizamos carretilhas que comportam 100 metros de linhas de multifilamento de 50 libras, varas de 5’6 pés (1,68), lider de 35 ou 40 libras de fluorcarbono.

Denis Garbo

 

Share

This entry was posted in Blog and tagged . Bookmark the permalink.

Deixe um Comentário

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.
Campos obligatorios marcados con asterisco (*)

*